BiblioBeiriz

Serviços de Biblioteca – Agrupamento de Escolas Campo Aberto – Escola E.B. 2/3 de Beiriz

Archive for the ‘poesia’ Category

“Assim, num poema encaixada”

Posted by Manuela DLRamos em Junho 1, 2012

A criança, o cão meigo no trato,
cheio de vida, a balouçar a cauda.
Hoje faz de cavalinho.
A criança galopa, galopa…
Vai de bracitos cerrados
à volta do pescoço, encostada,
como se num poema encaixada.

Poema de Gisela Silva – transcrito com a devida vénia ;-) do seu blogue Cada Livro cada sentença

Posted in Dia Internacional/Mundial, Gisela Silva, poesia | Com as etiquetas : | Comentários Desativados em “Assim, num poema encaixada”

Animais no Sótão

Posted by bibliobeiriz em Dezembro 19, 2011

Trailer do novo livro da professora Gisela Silva, ilustrado por Anabela Dias, editado pela Trinta Por Uma Linha.

Posted in Anabela Dias, Gisela Silva, Há na BE, livro, poesia | 1 Comment »

Outono

Posted by bibliobeiriz em Setembro 25, 2011

Tarde pintada
Por não sei que pintor.
Nunca vi tanta cor
Tão colorida!
Se é de morte ou de vida,
Não é comigo.
Eu, simplesmente,digo
Que há fantasia
Neste dia,
Que o mundo me parece
Vestido por ciganas adivinhas,
E que gosto de o ver, e me apetece
Ter folhas, como as vinhas.

Miguel Torga, Diário X (1966)

Posted in Miguel Torga, poesia | Leave a Comment »

A Árvore do Japão – poema

Posted by bibliobeiriz em Março 21, 2011

Contribuição da turma do 5º A  sob a orientação da professora de Língua Portuguesa Marcelina  Silva, para a Semana da Leitura.

Posted in aLer+ para escrever melhor, Marcelina Silva, poesia, Semana da Leitura, Slideshare | 2 Comments »

“O Dia da Liberdade”

Posted by bibliobeiriz em Abril 25, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

O Dia da Liberdade
25 de Abril

Este dia é um canteiro
com flores todo o ano
e veleiros lá ao largo
navegando a todo o pano.
E assim se lembra outro dia febril
que em tempos mudou a história
numa madrugada de Abril,
quando os meninos de hoje
ainda não tinham nascido
e a nossa liberdade
era um fruto prometido,
tantas vezes proibido,
que tinha o sabor secreto
da esperança e do afecto
e dos amigos todos juntos
debaixo do mesmo tecto.

José Jorge Letria in O livro dos dias (AMBAR)

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, José Jorge Letria, poesia | Leave a Comment »

Grândola, vila morena

Posted by bibliobeiriz em Abril 25, 2010

Zeca Afonso                                                               25 poemas e canções para o 25 de Abril

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade.
Fonte  ; Ouvir
Para saber mais:

  • Canção publicada  no álbum Cantigas do Maio, 1971 > «O mais histórico e o mais referencial de todos os discos da música popular portuguesa. Gravado no Strawberry Studio, de Michel Magne, em Herouville (França), entre 11 de Outubro e 4 de Novembro de 1971, com arranjos e direcção musical a cargo de José Mário Branco, este disco assinala a primeira viragem de fundo na revolução musical iniciada por Zeca uma dúzia de anos antes. (…) Um tema, no entanto, bastaria para fazer de Cantigas do Maio um marco da história portuguesa: Grândola vila morena*, escolhida em 1974 como senha* para o arranque do Movimento dos Capitães, que em 25 de Abril derrubou a ditadura fascista.» Viriato Teles  in Discografia  na AJA)
  • Grândola vila morena” como senha de Abril– nas palavras de Zeca Afonso – no canal do YouTube da Associação José Afonso
  • Senhas Musicais do 25 de Abril*;
  • Artigo sobre esta canção na wikipedia
  • «Foi o capitão de fragata Almada Contreiras, (…), quem teve a ideia de se usar a canção Grândola, Vila Morena, da autoria de José Afonso (1929-1987) como senha radiofónica para o início das operações no dia 25 de Abril. Tinha-se primeiro pensado numa outra composição de José Afonso, eventualmente mais revolucionária, Venham Mais Cinco, mas Carlos Albino, jornalista do República e responsável pelo programa de rádio Limite, da Rádio Renascença, informou de que tal não seria possível, porque a canção estava proibida pela censura interna dessa estação de rádio. Almeida Contreiras sugeriu então que se passasse Grândola, Vila Morena, cujo texto salientava os valores da igualdade e da fraternidade. A proposta foi aceite e às 0h20 do dia 25 de Abril Grândola, Vila Morena ouviu-se no programa Limite, uma produção independente diariamente apresentada na emissora católica Rádio Renascença.» in Centro de Língua Portuguesa em Hamburgo: núcleos temáticos: 25 de Abril (Instituto Camões)

————————————

Alunos da opção de Música dos 9ºs A, C e E cantam “Grândola, vila morena”- actividade musical integrada na comemoração  ” Oitenta Anos de Zeca Afonso ou a Liberdade não tem idade”- dia 23 de Abril 2010

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, 80 anos Zeca Afonso, História, Música na Escola, poesia, Zeca Afonso | Com as etiquetas : , | 1 Comment »

“Canto Moço”

Posted by bibliobeiriz em Abril 25, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

Somos filhos da madrugada
Pelas praias do mar nos vamos
À procura de quem nos traga
Verde oliva de flor no ramo
Navegamos de vaga em vaga
Não soubemos de dor nem mágoa
Pelas praias do mar nos vamos
À procura da manhã clara

Lá do cimo duma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noita inteira
Mensageira pomba chamada
Companheira da madrugada
Quando a noite vier que venha
Lá do cimo duma montanha

Onde o vento cortou amarras
Largaremos pela noite fora
Onde há sempre uma boa estrela
Noite e dia ao romper da aurora
Vira a proa minha galera
Que a vitória já não espera
Fresca brisa, moira encantada
Vira a proa da minha barca

in Traz outro amigo também (1970)

Ouvir

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, 80 anos Zeca Afonso, poesia, Zeca Afonso | Leave a Comment »

“Venham mais cinco”

Posted by bibliobeiriz em Abril 22, 2010

 

25 poemas e canções para o 25 de Abril

Zeca Afonso em 29 de Janeiro de 1983, no Coliseu canta esta canção de 1973

Venham mais cinco,
duma assentada que eu pago já
Do branco ou tinto,
se o velho estica eu fico por cá

Se tem má pinta,
dá-lhe um apito e põe-no a andar
De espada à cinta,
já crê que é rei d’aquém e além-mar

Não me obriguem a vir para a rua
Gritar
Que é já tempo d’ embalar a trouxa
E zarpar
A gente ajuda, havemos de ser mais
Eu bem sei
Mas há quem queira, deitar abaixo
O que eu levantei

A bucha é dura, mais dura é a razão
Que a sustem só nesta rusga
Não há lugar prós filhos da mãe

Não me obriguem a vir para a rua
Gritar
Que é já tempo d’ embalar a trouxa
E zarpar

Bem me diziam, bem me avisavam
Como era a lei
Na minha terra, quem trepa
No coqueiro é o rei

A bucha é dura (…)

Fonte

Do álbum homónimo:« Gravado em finais de 1973, em Paris, novamente com colaboração de José Mário Branco, inclui diversos temas escritos por Zeca durante o seu último período de ‘férias’ na prisão de Caxias, em Maio desse ano. É o disco em que o cantor conta com a participação de maior número de músicos (18, no total) e onde a poesia de Zeca atinge a sua expressão mais ampla, livre de significados imediatistas e de interpretações lineares. São, por junto, dez cantigas onde o tradicional lirismo de José Afonso se funde com uma grande ‘modernidade’ semântica (…) sem nunca perder o sentido daquilo que, para Zeca, foi sempre o fundamental: a agitação sociopolítica que as suas intervenções musicais pos­sibilitavam. Exemplos soberbos são Adeus ó Serra da Lapa, A Formiga no Carreiro ou Venham mais cinco, o último dos grandes hinos de Zeca deste período.Viriato Teles » in Verso do Verso

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, 80 anos Zeca Afonso, poesia, Zeca Afonso | Leave a Comment »

“Vampiros”

Posted by bibliobeiriz em Abril 22, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

Zeca Afonso, 1963

No céu cinzento
Sob o astro mudo
Batendo as asas
Pela noite calada
Vêm em bandos
Com pés veludo
Chupar o sangue
Fresco da manada
Se alguém se engana
Com seu ar sisudo
E lhes franqueia
As portas à chegada
A toda a parte
Chegam os vampiros
Poisam nos prédios
Poisam nas calçadas
Trazem no ventre
Despojos antigos
Mas nada os prende
Às vidas acabadas
No chão do medo
Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos
Na noite abafada
Jazem nos fossos
Vítimas dum credo
E não se esgota
O sangue da manada
Eles comem tudo
Eles comem tudo
Eles comem tudo
E não deixam nada
São os mordomos
Do universo todo
Senhores à força
Mandadores sem lei
Enchem as tulhas
Bebem vinho novo
Dançam a ronda
No pinhal do reiEles comem tudo
(…)
Se alguém se engana
Com seu ar sisudo
E lhes franqueia
As portas à chegadaEles comem tudo
(…)

Canção publicada pela primeira vez em 1963 no disco Baladas de Coimbra; foi pouco tempo depois probida; (republicada em 1982, 87 e 2006) ver aqui

Zeca Afonso a cantar esta canção no seu último concerto, em 29 de Janeiro de 1983, no Coliseu .

«VAMPIROS
Numa viagem que fiz a Coimbra apercebi-me da inutilidade de se cantar o cor-de-rosa e o bonitinho, muito em voga nas nossas composições radiofónicas e no nosso music­haIl de exportação. Se lhe déssemos uma certa dignidade e lhe atribuíssemos, pela urgência dos temas tratados, um mínimo de valor educativo, conseguiríamos talvez fabricar um novo tipo de canção cuja actualidade poderia repercutir-se no espírito narcotizado do público, molestando-lhe a consciência adormecida em vez de o distrair. Foi essa a intenção que orientou a génese de “Vampiros”, entidades destinadas ao desempenho duma função essencialmente laxante ao contrário do que poderá supor o ouvinte menos atento. A fauna hiper­nutrida de alguns parasitas do sangue alheio serviu de bode espiatório. Descarreguei a bilis e fiz uma canção para servir de pasto às aranhas e às moscas. Casualmente acabou-se-me o dinheiro e fiquei em Pombal com um amigo chamado Pité. A noite apanhou-nos desprevenidos e enregelados num pinhal que me lembrou o do rei e outros ambientes brr herdados do Velho Testamento. José Afonso» in Verso dos Versos, AJA

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, 80 anos Zeca Afonso, poesia, Zeca Afonso | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

“Mãe Preta”

Posted by bibliobeiriz em Abril 21, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

Pele encarquilhada carapinha branca
Gandôla de renda caindo na anca
Embalando o berço do filho do sinhô
Que há pouco tempo a sinhá ganhou

Era assim que mãe preta fazia
criava todo o branco com muita alegria
Porém lá na sanzala o seu pretinho apanhava
Mãe preta mais uma lágrima enxugava

Mãe preta, mãe preta

Enquanto a chibata batia no seu amor
Mãe preta embalava o filho branco do sinhô

  • «A canção original “Mãe preta” é brasileira, sendo seus autores Piratini (António Amabile) e Caco Velho (Matheus Nunes) e remonta a 1954. (…) foi proibida pela censura em Portugal (velhos complexos do tempo da escravatura e do racismo), sendo a sua letra considerada subversiva.»-  Fonte 
  • «A letra foi proibida em Portugal. David Mourão-Ferreira escreveu outra letra falando da tragédia de um desaparecido no mar. Amália Rodrigues fez dessa versão, Barco negro, gravada nos anos 50, um enorme sucesso. Mais tarde, em 1978, gravou a versão original.» in As versões de Mãe Preta
  • Ler também “Maria da Conceição, ‘criadora’ de ‘Mãe preta’, agora em CD”
  • Ver e ouvir a versão de Mãe Preta  de Dulce Pontes.

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, Canção, poesia | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

“Exílio”

Posted by bibliobeiriz em Abril 20, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

Venho dizer-vos que não tenho medo
A verdade é mais forte do que as algemas,
Venho dizer-vos que não há degredo
Quando se traz a alma cheia de poemas.

Pode ser uma ilha ou uma prisão
Em qualquer lado eu estou presente,
Tomo o navio da canção
E vou directo ao coração de toda a gente.

Poema de Manuel Alegre (in O Canto e as Armas, 1967)  cantado por Luís Cilia

  • «Luís Cília foi o primeiro cantor de intervenção que no exílio denunciou a guerra colonial e a falta de liberdade em Portugal. Gravando ininterruptamente a partir de 1964, realizou uma actividade musical, tanto discográfica como no que concerne à realização de recitais, tendo-se profissionalizado em 1967.  (…) Eduardo Raposo, in Canto de Intervenção 1960-1974, Lisboa,2000, p. 7» fonte
  • «Canção inserida no seu primeiro disco “Portugal Angola – Chants de Lutte” de 1964 (LP – Le Chant du Monde – LDX-S-4308 – 1964 – França ); reeditada no LP “Meu País” de 1970. Esta canção conheceu a sua maior divulgação quando em Portugal Adriano Correia de Oliveira a divulgou já que eram proibidos os discos de Luis Cília. »  fonte > Ouvir no YouTube

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, Autor, Manuel Alegre, poesia | 2 Comments »

“Nunca pensei viver…”

Posted by bibliobeiriz em Abril 15, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

Nunca pensei viver para ver isto:
a liberdade – (e as promessas de liberdade)
restauradas. Não, na verdade, eu não pensava
– no negro desespero sem esperança viva –
que isto acontecesse realmente. Aconteceu.
E agora, meu general?

Tantos morreram de opressão ou de amargura,
tantos se exilaram ou foram exilados,
tantos viveram um dia-a-dia cínico e magoado,
tantos se calaram, tantos deixaram de escrever,
tantos desaprenderam que a liberdade existe-
E agora, povo português?

Essas promessas – há que fazer depressa
que o povo as entenda, creia mais em si mesmo
do que nelas, porque elas só nele se realizam
e por ele. Há que, por todos os meios,
abrir as portas e as janelas cerradas quase cinquenta anos –
E agora, meu general?

E tu povo, em nome de quem sempre se falou,
ouvir-se-á a tua voz firme por sobre os clamores
com que saúdas as promessas de liberdade ?
Tomarás nas tuas mãos, com serenidade e coragem,
aquilo que, numa hora única, te prometem ?
E agora, povo português?

Jorge de Sena
Obras de Jorge de Sena 40 anos de servidão. Lisboa: Morees, 1979

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, poesia | Leave a Comment »

“Explicação do País de Abril”

Posted by bibliobeiriz em Abril 13, 2010

25 poemas e canções para o 25 de Abril

País de Abril é o sítio do poema.
Não fica nos terraços da saudade
não fica nas longas terras. Fica exactamente aqui
tão perto que parece longe.

Tem pinheiros e mar tem rios
tem muita gente e muita solidão
dias de festa que são dias tristes às avessas
é rua e sonho é dolorosa intimidade.

Não procurem nos livros que não vem nos livros
País de Abril fica no ventre das manhãs
fica na mágoa de o sabermos tão presente
que nos torna doentes sua ausência.

País de Abril é muito mais que pura geografia
é muito mais que estradas pontes monumentos
viaja-se por dentro e tem caminhos veias
– os carris infinitos dos comboios da vida.

País de Abril é uma saudade de vindima
é terra e sonho e melodia de ser terra e sonho
território de fruta no pomar das veias
onde operários erguem as cidades do poema.

Não procurem na História que não ven na História.
País de Abril fica no sol interior das uvas
fica à distância de um só gesto os ventos dizem
que basta apenas estender a mão.

País de Abril tem gente que não sabe ler
os avisos secretos do poema.
Por isso é que o poema aprende a voz dos ventos
para falar aos homens do País de Abril.

Mais aprende que o mundo é do tamanho
que os homens queiram que o mundo tenha:
o tamanho que os ventos dão aos homens
quando sopram à noite no País de Abril.

Manuel Alegre – Praça da Canção.  Porto : Campo das Letras, 1998.

Nota: Com este poema iniciamos a publicação de uma série que intitulamos “25 poemas para o 25 de Abril”.  Não se trata portanto de nenhuma mensagem de apoio a mais uma qualquer campanha política, como numa primeira leitura se poderia supor, mas sim de um poema de um autor que é considerado  “o poeta mais cantado pelos músicos portugueses“.

Servirão também estes textos para uma actividade de leitura de poesia que decorrerá no dia 23 de Abril, em todas as salas/turmas do Agrupamento, no âmbito da Semana da Leitura e da celebração dos “Oitenta anos de Zeca Afonso”

Posted in 25 de Abril, 25 poemas e canções para o 25 de Abril, 80 anos Zeca Afonso, História, Manuel Alegre, poesia | Leave a Comment »

A Defesa do Poeta

Posted by bibliobeiriz em Fevereiro 26, 2010

Senhores jurados sou um poeta
um multipétalo uivo um defeito
e ando com uma camisa de vento
ao contrário do esqueleto.

Sou um vestíbulo do impossível um lápis
de armazenado espanto e por fim
com a paciência dos versos
espero viver dentro de mim.

Sou em código o azul de todos
( curtido couro de cicatrizes)
uma avaria cantante
na maquineta dos felizes.

Senhores banqueiros sois a cidade
o vosso enfarte serei
não há cidade sem o parque
do sono que vos roubei.

Senhores professores que pusestes
a prémio minha rara edição
de raptar-me em crianças que salvo
do incêndio da vossa lição.

Senhores tiranos que do baralho
de em pó volverdes sois os reis
sou um poeta jogo-me aos dados
ganho as paisagens que não vereis.

Senhores heróis até aos dentes
puro exercício de ninguém
minha cobardia é esperar-vos
umas estrofes mais além.

Senhores três quatro cinco e sete
que medo vos pôs por ordem?
Que favor fechou o leque
da vossa diferença enquanto homem?

Senhores juízes que não molhais
a pena na tinta da natureza
não apedrejeis meu pássaro
sem que ele cante minha defesa.

Sou um instantâneo das coisas
apanhadas em delito de perdão
a raiz quadrada da flor
que espalmais em apertos de mão.

Sou uma impudência a mesa posta
de um verso onde o possa escrever.
Ó subalimentados do sonho!
A poesia é para comer.

Natália Correia-  “A defesa do poeta”, Poesia Completa, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 2000, pág. 330 e seg. (nota em rodapé: «Compus este poema para me defender no Tribunal Plenário de tenebrosa memória. O que não fiz a pedido do meu advogado que sensatamente me advertiu de que essa insólita leitura no decorrer do julgamento comprometeria a defesa, agravando a a sentença.» (Ler aqui  mais detalhes sobre as circunstâncias que deram origem a este poema.)

Post dedicado

Posted in Natália Correia, poesia | Leave a Comment »

poema

Posted by bibliobeiriz em Fevereiro 23, 2010

procuro  palavras
que me entendam

valter hugo mãe
in três minutos antes de a maré encher (2000)

Posted in poesia, valter hugo mãe | Leave a Comment »