BiblioBeiriz

Serviços de Biblioteca – Agrupamento de Escolas Campo Aberto – Escola E.B. 2/3 de Beiriz

Posts Tagged ‘para professores’

Os Piratas de Manuel António Pina

Posted by Manuela DLRamos em Maio 2, 2015

piratasPortoEditora imagemPiratasAfrontamento Livro aconselhado pelo PNL, destinado a leitura orientada na sala de aula para o 6º ano – Grau de Dificuldade III (lista de julho 2011), posteriormente indicado como leitura “obrigatória” nas novas metas curriculares, também para o 6º ano.

As imagens reproduzem as capas da última edição, da Porto Editora (2014) ilustrada por Carla Manso e a da edição de 1997, da  Afrontamento, atualmente esgotada.

Trata-se da adaptação para teatro (em nove cenas) da novela homónima de Manuel António Pina, adaptação que, de acordo com a sinopse da editora, «foi feita pelo próprio autor, que acompanhou a montagem da peça no Teatro Pé de Vento, e por isso está recheada de preciosas indicações de cena.» (fonte ).

——
piratasManuelaBacelarpiratasEmidioOriginalmente publicada pela Areal Editores, em 1986, com ilustrações de Manuela Bacelar (ver) a novela é reeditada em 2003, pelas Edições Asa, desta vez ilustrada pelo pintor José Emídio, estando ambas as edições esgotadas.

Trata-se de uma das mais complexas (e sombrias) obras de Manuel António Pina, com personagens ambíguas e uma trama narrativa indefinida (ler artigo e recensão de Sara Reis da Silva no fim do post).

—-
Mais uma escolha que deixará alguns professores e pais perplexos. Porquê esta obra na sua adaptação teatral? Uma obra previamente considerada difícil pelo PNL, instituída agora em leitura obrigatória (nas Metas curriculares)? Não sendo sequer incluída no número daquelas para as quais é dada uma alternativa, como no caso, por exemplo, de Ulisses de Maria Alberta Menéres que alterna com Contos Gregos de António Sérgio.

Não faltam no entanto, verdade seja dita, guiões e itinerários de leitura. Aqui ficam apontadores para alguns, os très primeiros sobre a adaptação teatral, os outros dois sobre a novela original.

———————–

Recensão de Sara Reis da Silva in Casa da Leitura: «Um dos títulos mais marcantes da original obra de M. A. P., esta novela, escrita na primeira pessoa, é emoldurada pelo mistério, pela hesitação entre o real e o onírico e pela memória. Esta é a história de Manuel, um rapaz de 8 anos, que vive numa ilha e que, de repente, se vê envolvido na tragédia de um naufrágio e, ainda, num episódio (verdadeiro ou sonhado?) de um ataque de piratas. Nesta narrativa, assiste-se à ficcionalização de elementos que se situam no universo da memória historico-literária portuguesa ou de tópicos como, por exemplo, a vocação atlântica ou as aventuras marítimas (os perigos, por exemplo, da pirataria, os naufrágios, a protagonização masculina, a solidão e a espera femininas, a incerteza, entre outros) e a literatura de viagens. Este é um texto que suscita um conjunto de leituras intertextuais e em que o histórico e o imaginário se cruzam significativamente, sendo diversas as alusões a lendas ou a mitos, bem como a reminiscências de natureza geográfica e histórica portuguesas, aspectos que acabam por se revestir de uma importante funcionalidade na própria construção ficcional.»

————–

Adenda : Por curiosidade, refira-se a ligação que esta obra tem com os trabalhos do realizador chileno Raul Ruiz (« um telefilme em três episódios, intitulado Manuel na Ilha das Maravilhas/ Manoel dans l’île des Merveilles (1984), e, mais tarde, o filme Les Destins de Manoel(1985).» (cf Sara Reis da Silva in “Vivo numa ilha, ou uma ilha vive em mim”: A novela Os Piratas, de Manuel António Pina”– forma breve, 2013 pp 59-76)

Posted in Carla Manso, José Emídio, Manuel António Pina, Manuela Bacelar, Sara Reis Silva | Com as etiquetas : , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Promoção da Fluência de Leitura

Posted by Manuela DLRamos em Abril 30, 2015

EPDL_RaquelLSilva

A fluência de leitura é  um dos melhores indicadores da competência leitora (1), e como tal é considerada um fator determinante no sucesso escolar dos alunos.

Os materiais aqui divulgados ajudam-nos a compreender  qual a sua importância e apontam caminhos para o seu desenvolvimento.

Trata-se de duas apresentações da autoria da psicóloga Raquel Luís Silva,  desenvolvidas no âmbito do seu trabalho e investigação sob a orientação da Drª Maria Dulce Gonçalves, mentora do projeto IDEA, e um folheto específico para EE disponibilizado no site do referido projeto.

(1)«A fluência na leitura é um dos melhores indicadores da competência leitora. Ao estar associada a uma automatização do reconhecimento das palavras escritas, a fluência na leitura é essencial para que os leitores consigam compreender eficazmente o que leem.» in “Como criar bons leitores lá em casa”

Ver  também a página de facebook do projeto IDEA

Posted in Maria Dulce Gonçalves, Raquel Luís Silva | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

“Direitos de Autor- uma abordagem em contexto escolar”

Posted by Manuela DLRamos em Maio 21, 2013

Sessão sobre o Código do Direito de Autor e Direitos Conexos – legislação, análise de casos práticos, boa conduta no uso da informação

Biblioteca Escolar ES Miguel Torga, Bragança  (PPT  também disponível no  blogue   e  no Facebook da Biblioteca )

Posted in Bibliobeiriz | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »

“Ambiente e ecoliteracia na novíssima literatura para a infância”

Posted by Manuela DLRamos em Março 2, 2012

PPEE- para professores e encarregados de educação ;-)
Um projeto interessante. Um sítio para explorar.

«Um projeto de investigação do CIEC – Centro de Investigação em Estudos da Criança da Universidade do Minho que pretende identificar as linhas de interseção entre os planos estético e lúdico da Literatura para Crianças e Jovens e as suas virtualidades pedagógicas, especificamente no que toca à ecoliteracia.»
Investigadores envolvidos:
-Rui Ramos
-Ana Margarida Ramos

Posted in Ana Margarida Ramos, CIEC, Rui Ramos | Com as etiquetas : , , , , | Leave a Comment »

“Colecção de Clássicos da Literatura Portuguesa Contados às Crianças”

Posted by Manuela DLRamos em Janeiro 14, 2012

Lista dos escritores e dos títulos dos 24 clássicos adaptados e ilustrados por vários autores contemporâneos que a nossa escola recebeu no ano passado, no âmbito do Concurso «Quem Conta um Conto… acrescenta um ponto» (organizado pelo semanário Sol em parceria com o Plano Nacional de Leitura) e ao qual os alunos do 2º ciclo de algumas turmas concorreram.

Ver lista no SlideShare em formato doc.

Coleção de clássicos da literatura portuguesa contados às crianças: Biblioteca tempo dos mais novos editada pela Quasi Editora, em colaboração com o jornal SOL e com o MILLENNIUM BCP.  Esta colecção está dividida em duas séries a do André e a da Helena 

  • CAMINHA, Pêro Vaz de
  • CASTELO BRANCO, Camilo
  • DINIS, Júlio
    • A Morgadinha dos Canaviais, adap. por Possidónio Cachapa, il. de André Letria > (1)
    • As Pupilas do Senhor Reitor, adap. por Albano Martins, il. de Helena Simas  >(13)
    • Os Fidalgos da Casa Mourisca, adap por Possidónio Cachapa, il. de Helena Simas > (1)
    • Uma Família Inglesa, adap por Manuel Jorge Marmelo, il. de Sandra Serra (7)
  • GARRETT, Almeida
  • HERCULANO, Alexandre
    • O Bobo, adap. por José Jorge Letria, il. de Carla Nazareth  >(17)
  • PESSOA, Fernando
    • Mensagem, adap. por Mafalda ivo Cruz, il de Sandra Serra (19)
    • O Banqueiro Anarquista, adap. por Clara Pinto Correia, il. de Helena Simas  >(1)
  • QUEIRÓS, Eça de
    • As Cidades e as Serras, adap. por António Torrado, il. de Helena Simas  >(1)
    • A Ilustre Casa de Ramires, adap. por António Torrado, il. de Marta Martins (1)
    • A Relíquia, adap. por Ana Luísa Amaral, il. de Gabriela Sotto Mayor (1)
    • O Crime do Padre Amaro, adap. por Eduardo Pitta, il. de Carla Nazareth  >(1)
    • O Mandarim, adap. por Gonçalo M. Tavares, il. de Helena Simas (13)
    • O Primo Basílio, adaptado por Fernando Pinto do Amaral, il. de Marta Martins (7)
    • Os Maias, adap. por José Luís Peixoto, il. de André Letria > (13)
  • VICENTE, Gil
    • Auto da Barca do Inferno, adap. por Rosa Lobato de Faria, il. de Gabriela Sotto Mayor (19)
    • Auto da Índia, adap. por Rosa Lobato Faria, il. de Marta Martins (13)
    • Auto de Mofina Mendes, adap. por Ana Luísa Amaral, il. de Helena Simas > (1)
  • VIEIRA, Padre António
    • Sermão de Santo António aos Peixes, adap. por Rui Lage, il. de André Letria > (1)

(Entre parênteses indica-se o número de exemplares por título que recebemos)

SOBRE ESTA COLEÇÃO (para professores e EE)

Sobre a questão das adaptações dos clássicos, em geral, ler também:

Posted in Coleção clássicos da literatura portuguesa | Com as etiquetas : , , , , , | Leave a Comment »

A ler

Posted by bibliobeiriz em Setembro 11, 2007

  1. Biblioteca e WEB 2.0 -no blogue da RBERede de Bibliotecas Escolares
    e já agora, ler também: O que é Web 2 (in o bibliotecário 2.0 (β) ; O que é a Web 2.0? (in JornalismoPortoNet) e Entenda o que é a Web 2.0 (Folha de S. Paulo)
  1.  Acções de promoção do livro e da leitura -no Bibliotequices
    «Promover o “consumo” de um livro implica, em diferentes fases e níveis de actuação, diversas acções:
  • Promover a leitura em termos de técnica da leitura: desenvolver técnicas para ir desde o b-a-bá até à leitura de livros científicos.
  • Exibir o livro de forma apelativa e criativa
  • Facilitar o seu acesso ao livro, nas suas diferentes formas de apresentação e versões (desde o livro de edição de luxo à edição de bolso, desde o braille ao e-book e ao audiobook).
  • Desenvolver a paixão pela leitura, desde os exemplos de referência, ao grupo de pares e à promoção mediática da leitura.
  • Identificar os interesses do leitor que revela vontade de ler e desenvolver esses interesses através da orientação para a diversidade de géneros e autores de forma a desenvolver noções de cultura universal através da leitura.
  • Focalizar o trabalho no leitor individual, identificar quem poderá ter interesse num determinado livro e então fazer chegar essa informação ao interessado de uma forma apelativa.
  • Orientar acções para quem não revela interesse na leitura descobrindo que portas (ou janelas) se poderão utilizar como entrada para a leitura .
  • Criar nos promotores de leitura a noção de que os indivíduos não serão conquistados para a leitura todos da mesma forma, muito menos da forma que nos conquistou.
  • Abrir horizontes dos próprios promotores de leitura: existem novos géneros, novos autores, novos fenómenos literários. Nós não lemos apenas por prazer, também é uma profissão pelo que não existem géneros nem autores proscritos.»

(Retirado de Bibliotequices http://bibliotequices.blogspot.com -licença http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5 )

Posted in Web 2.0 | Com as etiquetas : , | 1 Comment »