BiblioBeiriz

Serviços de Biblioteca – Agrupamento de Escolas Campo Aberto – Escola E.B. 2/3 de Beiriz

Posts Tagged ‘youtube’

«E ao lado da casa, o grande abeto escuro, a maior árvore da floresta, estava coberta de luzes.»

Posted by Manuela DLRamos em Dezembro 19, 2014

«[…] ─Que maravilhosa fogueira – pensou o Cavaleiro ─. Nunca vi fogueira tão bela.
Mas quando chegou em frente da claridade viu que não era uma fogueira. Pois era ali a clareira de bétulas onde ficava a sua casa. E ao lado da casa, o grande abeto escuro, a maior árvore da floresta, estava coberta de luzes. Porque os anjos do Natal a tinham enfeitado com dezenas de pequeninas estrelas para guiar o Cavaleiro.

Esta história, levada de boca em boca, correu os países do Norte. E é por isso que na noite de Natal se iluminam os pinheiros. »
Sophia de Mello Breyner Andresen in O Cavaleiro da Dinamarca  (fonte do texto)

—–

Decoração de Natal realizada no âmbito do projeto de articulação interdisciplinar do 7º ano.
Profs responsáveis: Alda Magalhães, Augusta Vieira, Gisela Sila, Isabel Neto.

Música: Secret Conversations pelos The 126ers (Youtube licença livre)

Posted in Sophia de Mello Breyner Andresen | Com as etiquetas : , , , , | 2 Comments »

Escola da Minha Vida – Sessão de Encerramento- Dança- Escola E.B.2/3 de Beiriz

Posted by Manuela DLRamos em Abril 12, 2013

Publicamos com a devida vénia a reportagem da Rádio Onda Viva sobre a sessão de encerramento do projeto Escola da Minha Vida  que de acordo com a referida fonte reuniu 3000 alunos no Pavilhão Municipal.

A nossa esscola esteve de parabéns arrecadando um número gratificante de prémios e apresentou uma interpretação do clássico “Thriller” de Michael Jackson. É caso para dizer que ficámos duplamente “thrilled”! Parabéns a todos!

Posted in Escola da minha vida | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

Muitos parabéns, querida senhora professora Luísa Dacosta!

Posted by Manuela DLRamos em Fevereiro 16, 2013

Nunca foi nossa professora, porém como gostaríamos que o tivesse sido!
Assim, é este o nosso modo de a saudarmos hoje, dia do seu aniversário, carinhosa e respeitosamente.  Queremos também dizer que nos sentimos muito  felizes pelo privilégio de, em breve, a irmos receber na nossa biblioteca.  Poderemos então finalmente tornarmo-nos por alguns momentos nos alunos que nunca fomos: os seus.
.
A propósito  da data de hoje, e também para todos ficarmos a conhecer melhor Luísa Dacosta, publicamos este documentário videográfico em que são reveladas as suas múltiplas facetas: pedagoga, escritora, cronista, cidadã independente, crítica não comprometida, poetisa apaixonada pela língua…

Uma entrevista imperdível em que a autora, que hoje celebra 86 anos, fala sobre a sua experiência de professora, a importância da literatura no ensino, as suas obras, escritores que a marcaram e muito mais.


Filmagem e edição de Artur Caiano
Canal do youtube da Página Literária do Porto

Ver aqui outra entrevista à escritora

——–

Posted in Luísa Dacosta | Com as etiquetas : , , , , | Leave a Comment »

A Nau Catrineta que tem muito que contar

Posted by Manuela DLRamos em Janeiro 5, 2012

A Nau Catrineta que tem Muito que Contar de António Torrado, ilustrada por Paula Soares, numa edição escolar da Civilização Editora, foi o livrinho que oferecemos aos “top-leitores” do 1º período. (ver nota para professores)

«Quem lembra a Nau Catrineta
quem a chora e a lastima,
ondas do mar abaixo
ondas do mar acima?

Quem vira costas aos cais
que da espera se arruína,
ondas do mar abaixo
ondas do mar acima?

Quem, de janelas fechadas,
enlutadas, desanima,
ondas do mar abaixo
ondas do mar acima?

Neste silêncio de mais
pelo cais, onde a neblina
apaga esquinas, umbrais,
um velho arrais se aproxima..

A névoa que traz nos olhos
a névoa que o encortina
arranca flocos de névoa,
trovas de pranto em surdina:
“Eu sei da Nau Catrineta
que tem muito que contar,
Foi EI- Rei quem ordenou
que a fossem aparelhar.
O capitão a aparelha
nem mais tinha que esperar,
ao sair da barra fora
tudo era arrebicar. (…)”»
continuar a ler no blogue do Contador de Histórias

Para saber mais:

«A Nau Catrineta é um poema romanceado por um anónimo, relativo às viagens para o Brasil ou para o Oriente. Segundo Almeida Garrett, o romance popular A Nau Catrineta terá sido baseado no episódio sobre o Naufrágio que passou Jorge de Albuquerque Coelho, vindo do Brasil, no ano de 1565, que integra a História Trágico-Marítima. Este poema, que Garrett incluiu no seu Romanceiro  (1843-1851), foi bastante difundido pelos países setentrionais.
Diz a lenda que decorria o ano de 1565 quando saiu de Pernambuco a nau “Santo António” com destino a Lisboa, levando a bordo Jorge de Albuquerque Coelho, filho do fundador daquela cidade. Pouco depois de deixarem terra, avistaram uma embarcação que vinha na sua direção e que identificaram como um navio corsário francês, que pilhava os barcos naquelas paragens. Dado o alerta, pouco adiantou desfraldarem todas as velas, pois o “Santo António” tinha os porões demasiado carregados. A abordagem dos corsários foi rápida e eficaz: a nau foi saqueada com todos os seus haveres e deixada à deriva no mar sob o sol escaldante. Os tripulantes mais fracos ou feridos em combate foram morrendo de sede e de escorbuto e os que iam sobrevivendo não esperavam melhor sorte. O desespero apoderou-se dos marinheiros e um deles cheio de fome tentou arrancar pedaços de carne de um companheiro moribundo. Alertados pelos gemidos do homem, acercaram-se dele todos os sobreviventes, uns, para evitarem a ação desesperada, e outros, para nela participarem. Os ânimos estavam já muito exaltados, quando a voz de Jorge de Albuquerque Coelho se levantou, aconselhando-lhes calma e apelando para a sua dignidade de homens. Os marinheiros serenaram, enquanto a nau continuava à deriva. Por fim, foi avistada terra portuguesa, onde todos foram acolhidos e tratados. Conta-se que, muitos anos depois, Jorge de Albuquerque Coelho, já de idade avançada, se sentava em frente ao mar rodeado de amigos para contar a sua história que começava assim: “Lá vem a nau Catrineta, que tem muito que contar. Ouvi, agora, senhores, uma história de pasmar…”.»

A Nau Catrineta. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-01-01]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$a-nau-catrineta,2&gt;.

Imagem: tapeçaria de Portalegre reproduzindo “A Nau Catrineta” de Almada Negreiros,  executada a partir dos painéis da Gare Marítima de Alcântara. (Para ver fotos dos painéis pesquisar na Biblioteca de Arte / Fundação Calouste Gulbenkian)

                      .

————————————————

Notas para professores:

  • O texto de António Torrado não é de leitura fácil, com um vocabulário e construção frásica incomuns. Não se trata de uma adaptação para crianças, simplificada, mas sim de uma versão literária da lenda que narra as desventuras da nau quinhentista e dos seus tripulantes. Não creio que seja de todo apropriado para o 3º ano do 1º ciclo (como talvez por lapso vem aconselhado nas lista do PNL); para este nível etário seria mais apropriada a divertida Nau Mentireta de Luísa Ducla Soares com ilustrações de Manuela Bacelar (livro infelizmente esgotado, do qual possuímos apenas um exemplar e uma versão digitalizada), efetivamente aconselhada para o 2º ano- ver capa e texto aqui)
  • A ler: Nau Catarineta: Da Jornada Marítima à Literatura Infanto-Juvenil (pdf) por Rhea Sílvia Willmer (dissertação de mestrado) Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009

Posted in Almeida Garrett, António Torrado, Descobrimentos, Fausto, História, Nau Catrineta, Paula Soares | Com as etiquetas : , , , , , , , , , | Leave a Comment »

A beleza da mulher

Posted by Manuela DLRamos em Março 8, 2010

Os vídeos de Philip Scott Johnson:
500 Years of Female Portraits in Western Art

Música: “Bach’s Sarabande from Suite for Solo Cello No. 1 in G Major, BWV 1007 performed by Yo-Yo Ma”

Women in film

Música:”Bach’s Prelude from Suite for Solo Cello No. 1 in G Major, BWV 1007 performed by Yo-Yo Ma”

Posted in Dia Internacional da Mulher, Dia Internacional/Mundial, Philip Scott Johnson | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »

Carta ao Pai Natal- Boss AC

Posted by Manuela DLRamos em Dezembro 15, 2009


in “Ritmo, Amor e Palavras – R.A.P” – 2005

Olá Pai Natal
É a primeira vez que escrevo para ti
Venho de Lisboa e o pessoal chama-me AC
Desculpa o atrevimento mas tenho alguns pedidos
Espero que não fiquem nalguma prateleira esquecidos
Como nunca te pedi nada
Peço tudo duma vez e fica a conversa despachada
Talvez aches os pedidos meio extravagantes
Queria que pusesses juízo na cabeça destes governantes
Tira-lhes as armas e a vontade da guerra
É que se não acabamos a pedir-te uma nova Terra
Ao sem-abrigo indigente, dá-lhe uma vida decente
E arranja-lhe trabalho em vez de mais uma sopa quente
E ao pobre coitado, e ao desempregado
Arranja-lhe um emprego em que ele não se sinta explorado
E ao soldado, manda-o de volta para junto da mulher
Acredita que é isso que ele quer
Vai ver África de perto, não vejas pelos jornais
Dá de comer às crianças ergue escolas e hospitais
Cura as doenças e distribui vacinas
Dá carrinhos aos meninos e bonecas às meninas
E dá-lhes paz e alegria
Ao idoso sozinho em casa, arranja-lhe boa companhia
Já sei que só ofereces aos meninos bem comportados
Mas alguns portam-se mal e dás condomínios fechados
Jactos privados, carros topo de gama importados
Grandes ordenados, apagas pecados a culpados
Desculpa o pouco entusiasmo, não me leves a mal
Não percebo como é que isto se tornou um feriado comercial
Parece que é desculpa para um ano de costas voltadas
E a única coisa que interessa é se as prendas tão compradas
E quando passa o Natal, dás à sola?
Há quem diga que tu não existes, quem te inventou foi a Coca-Cola
Não te preocupes, que eu não digo a ninguém
Se és Pai Natal é porque és pai de alguém
Para mim Natal é a qualquer hora, basta querer
Gosto de dar e não preciso de pretextos para oferecer
E já agora para acabar, sem querer abusar
Dá-nos Paz e Amor e nem é preciso embrulhar
Muita Felicidade, saúde acima de tudo
Se puderes dá-nos boas notas com pouco estudo
Desculpa o incómodo e continua com as tuas prendas
Feliz Natal para ti e já agora baixa as rendas
(letra daqui)

Posted in Boss AC, Canções e poemas de Natal, Natal | Com as etiquetas : , , , , , | Leave a Comment »

Laika e os seus amigos no YouTube

Posted by bibliobeiriz em Abril 7, 2009

aqui tínhamos falado da Laika e dos seus amigos e da sessão de leitura que fizeram na Biblioteca. Agora já se pode visualizar o filme de parte dessa sessão (e da sua preparação).

Trata-se, neste caso, de uma das nossas participações no concurso BiblioFilmes: Livros, Bibliotecas, Acção!  Em breve haverá mais. Esperamos que gostem. Nós divertimo-nos imenso!

Estão a ter boas férias? Que andam a ler?

Posted in aLeR+, Bibliobeiriz, BiblioFilmes Festival, Laika e os seus amigos, Maria Teresa Maia Gonzalez | Com as etiquetas : , , , , , , | 5 Comments »

Gutenberg e o acesso à leitura

Posted by Manuela DLRamos em Fevereiro 23, 2009

Apesar da data exacta do seu nascimento ser desconhecida, o dia de hoje associa-se a Gutenberg por se considerar ter sido a 23 de Fevereiro (1455) que foi impressa a sua famosa bíblia «considerada o incunábulo mais importante, pois marca o início da produção em massa de livros no Ocidente.» (fonte). Como escreve hoje no jornal Público António Marujo, «neste dia o livro ganha outra dimensão.  Até aí restrito a literatos, monges e mais alguns poucos, a invenção da tipografia, por J. Gutenberg, permitiu alargar o acesso à leitura.».

Sobre o impacto desta invenção ver:
Gutenberg & The Impact of the Printing Press

Mais apontadores:

  • «GUTENBERG, Johann Gensfleish (1397 ?-1468) – Nascido na cidade de Móguncia (Alemanha), no seio de uma família bastante próspera, é a ele que se deve a criação do processo de impressão com caracteres móveis – “a tipografia”.   Tanto o seu pai como o tio eram funcionários da Casa da Moeda do arcebispo de Móguncia, sendo provavelmente ali que Joahann aprendeu a arte da precisão em trabalhos de metal. Em 1428, Gutenberg parte para Estrasburgo onde procedeu às primeiras tentativas de imprimir com caracteres móveis e onde deu a conhecer a sua ideia. Nesta cidade terá, provavelmente, em 1442, impresso o primeiro exemplar na sua prensa original – um pedaço de papel, com onze linhas. «…» continuar a ler  artigo  no Museu Virtual da Imprensa
  • Johannes Gutenberg  ( in wikipedia)
  • A bíblia de Gutenberg (in Dicionário da Fé)

Printing Press Demo

Posted in Gutenberg | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »