BiblioBeiriz

Serviços de Biblioteca – Agrupamento de Escolas Campo Aberto – Escola E.B. 2/3 de Beiriz

Archive for the ‘Dia Internacional do Livro Infantil’ Category

VAMOS CRESCER COM O LIVRO! – Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil 2017

Posted by Manuela DLRamos em Março 23, 2017

 
«VAMOS CRESCER COM O LIVRO!
Na minha primeira infância, gostava de construir casas com pequenas peças e toda a espécie de brinquedos. Usava muitas vezes um livro ilustrado a fazer de telhado. Nos meus sonhos, entrava na casa, deitava-me na cama feita com uma caixa de fósforos e olhava para cima, para as nuvens ou para as estrelas do céu. A escolha dependia da ilustração que preferia na altura. Por intuição, segui as regras de vida das crianças que procuram criar um ambiente seguro e confortável à sua volta. E o livro infantil ajudou-me muito a atingir este objetivo.

Depois cresci, aprendi a ler, e o livro, na minha imaginação, começou a assemelhar-se mais a uma borboleta, ou mesmo a um pássaro, do que ao telhado de uma casa. As páginas do livro pareciam asas que batiam. Era como se o livro, deitado no peitoril, quisesse sair pela janela aberta em direção ao desconhecido. Segurava-o com as mãos e começava a lê-lo, e o livro ia ficando cada vez mais calmo. Então eu próprio voava para outras terras e novos mundos, alargando o espaço da minha imaginação.

Que alegria ter na mão um novo livro! De início, nunca sabemos sobre o que é que ele fala. Resistimos à tentação de saltar para a última página. E como o livro cheira bem! É impossível distribuirmos o seu cheiro pelos vários elementos que o compõem: tinta, cola… não, é impossível. Existe um cheiro particular no livro, um cheiro único e excitante. As folhas encontram-se coladas, como se o livro não tivesse ainda acordado. E ele só acorda quando começamos a lê-lo.

Continuamos a crescer, e o mundo à nossa volta torna-se mais complicado. Enfrentamos questões a que nem os adultos sabem responder. No entanto, é importante partilhar dúvidas e segredos com alguém. E aí o livro volta a ajudar-nos. Muitos de nós terão um dia pensado: este livro fala sobre mim! E a personagem favorita parece ser igual a nós. Tem problemas semelhantes, e resolve-os com dignidade. E há outra personagem que não é igual a ti, mas tu gostarias de seguir o seu exemplo, de ser tão corajoso e desembaraçado quanto ela.

Quando há rapazes e raparigas que dizem “Não gosto de ler!”, isso faz-me rir. Não acredito neles. Comem gelados, jogam jogos e veem filmes interessantes. Dito de outro modo, gostam de se divertir! É que a leitura não serve apenas para desenvolver sentimentos e personalidades, ela é, acima de tudo, um prazer.
É sobretudo com essa missão que os autores de livros para a infância escrevem os seus livros.»
Sergey Makhotin  (tradução de Mª Carlos Loureiro a partir da versão inglesa de Yana Shvedova)

DILI_Pestana_2017«No dia 2 de abril comemora-se em todo o mundo o nascimento de Hans Christian Andersen. A partir de 1967, este dia passou a ser designado por Dia Internacional do Livro Infantil, chamando-se a atenção para a importância da leitura e para o papel fundamental dos livros para a infância.

Para assinalar o Dia Internacional do Livro Infantil 2017, a DGLAB convidou o ilustrador João Fazenda, vencedor do Prémio Nacional de Ilustração do ano passado, para ser o autor da imagem do cartaz.
A mensagem do IBBY internacional, este ano da responsabilidade da Rússia, consta de um texto do escritor Sergey Makhotin e um cartaz do ilustrador Mikhail Fedorov.

Fonte
PORTUGAL. Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas – Site DGLAB: DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL 2017 [Em linha]. Lisboa: DGLAB, actual. 03-03-2017. [Consult. 19-03-2017].

Disponível em WWW:< http://www.dglb.pt/sites/DGLB/Portugues/noticiasEventos/Paginas/DIA-INTERNACIONAL-DO-LIVRO-INFANTIL-2017.aspx >
————-
MAIS RECURSOS
Vê a nossa prateleira de livros de Hans Christian Andersen

Hans Christian Andersen: no scoop.it da BE e
no blogue

Posted in Bibliobeiriz, DGLB, Dia Internacional do Livro Infantil, Hans Christian Andersen, João Fazenda | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

“Era uma vez”… Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil 2016

Posted by Manuela DLRamos em Abril 1, 2016

Todos os anos, no Dia Internacional  do Livro Infantil ,  o IBBY – International Board on Books for Young People convida um ilustrador para criar um cartaz e um autor para redigir uma mensagem dirigida a todas as crianças do mundo.
eraumavez Este ano,  coube  a vez aos brasileiros Ziraldo autor do cartaz, e  a Luciana Sandroni que escreveu a seguinte história:

«Era uma vez uma…
Princesa? Não. Era uma vez uma biblioteca. E também era uma vez a Luísa que foi à biblioteca pela primeira vez. A menina andava devagar, puxando uma mochila de rodinhas enoooorme. Ela olhava tudo muito admirada: Estantes e mais estantes recheadas de livros. Mesas, cadeiras, almofadas coloridas, desenhos e cartazes nas paredes.
Eu trouxe a foto – disse timidamente para a bibliotecária.
Ótimo, Luísa! Vou fazer sua carteira de sócia. Enquanto isso pode escolher o livro. Você pode escolher um livro para levar para casa, tá?
Só um?! – perguntou desapontada.
De repente, tocou o telefone e a bibliotecária deixou a menina com aquela difícil tarefa de escolher somente um livro diante daquela infinidade de estantes. Luísa puxou a mochila e procurou, procurou até que achou o seu favorito: Branca de Neve. Era uma edição de capa dura, com lindas ilustrações. Com o livro na mão, puxou a mochila novamente e, quando já saía, alguém bateu no seu ombro. A menina se virou e quase caiu para trás de susto: era nada mais, nada menos que o Gato de Botas com o livro dele nas mãos, quer dizer, nas patas!
Bom dia! Como vai sua tia? – brincou o gato fazendo uma reverência. – Luísa, você já não está careca de saber essas histórias de princesas? Por que não leva o meu livro, O Gato de Botas, que é bem mais divertido?
Luísa, admiradíssima, com os olhos arregalados, não sabia o que dizer.
O que houve? O gato comeu a sua língua? – brincou.
Você é o Gato de Botas de verdade?!
Eu mesmo! Em pelo e osso! Pois, então, me leve para a sua casa e você saberá tudo sobre a minha história e a do Marquês de Carabás.
A menina, de tão perplexa, só fez que sim com a cabeça. O Gato de Botas, num passe de mágica, voltou para o livro, e, quando a Luísa já saía, alguém bateu no seu ombro de novo. Era ela: “branca como a neve, corada como o sangue e de cabelos negros como ébano”. Já sabem quem é?
Branca de Neve!? – disse Luísa completamente abobada.
Luísa, me leva com você também. Essa edição – disse mostrando o próprio livro – é uma adaptação fiel do conto dos irmãos Grimm.
Quando a menina ia trocar de livro de novo, o Gato de Botas apareceu muito irritado:
Branca, a Luísa já se decidiu. Volte lá para os seus seis anões.
São sete! E ela não se decidiu coisa nenhuma! – se irritou a Branca ficando bem vermelha de raiva.
Os dois encararam a menina esperando uma resposta:
Eu não sei qual levar. Eu queria levar todos…
De repente, de repente, aconteceu a coisa mais extraordinária: os personagens todos foram saindo dos seus livros: a Cinderela, a Chapeuzinho Vermelho, a Bela Adormecida, a Rapunzel. Era um time de verdadeiras princesas:
Luísa, me leva para a sua casa! – suplicavam todas.
Eu só preciso de uma cama para dormir um pouquinho– disse a Bela bocejando.
Só cem anos, coisa pouca – ironizou o Gato.
Posso fazer a faxina na sua casa, mas à noite eu tenho uma festa no castelo do…
Príncipe! – gritaram todos.
Na minha cesta eu tenho bolo e vinho. Alguém quer? – ofereceu a Chapeuzinho.
Depois surgiram mais personagens: o Patinho Feio, a Pequena vendedora de Fósforos, o Soldadinho de Chumbo e a Bailarina:
Luísa, podemos ir com você? Somos personagens do Andersen – pediu o Patinho Feio, que nem era assim tão feio.
A sua casa é quentinha? – Perguntou a menina dos fósforos.
Ihhh, se tiver lareira é melhor a gente ficar por aqui… – comentou o Soldadinho com a Bailarina.
Só que, subitamente, surgiu um lobo bem peludo, enorme, com os dentes afiados, bem ali na frente de todos:
O Lobo Mau!!!!!
Lobo, por que essa boca tão grande? – perguntou a Chapeuzinho por força do hábito.
Eu protejo vocês! – disse o soldadinho muito corajoso.
Foi então, que o Lobo abriu a maior bocarra e… Comeu todo mundo? Não. Só bocejou de sono e depois disse muito tranquilo:
Calma, pessoal. Eu só queria dar uma ideia. A Luísa leva o livro da Branca de Neve e nós podemos ir dentro da mochila, que é bem grande.
Todos acharam a ideia muito boa:
Podemos, Luísa? – perguntou a Menina dos Fósforos que tremia de frio.
Tudo bem! – disse abrindo a mochila. Os personagens fizeram uma fila e foram entrando.
Primeiro as princesas! – reivindicou a Cinderela.
Na última hora, os personagens brasileiros também apareceram: o Saci, o Caipora, uma boneca de pano muito tagarela, um menino muito maluquinho, uma menina com uma bolsa amarela, outra com a foto da bisavó colada no corpo, um reizinho mandão. Todos entraram.
A mochila estava mais pesada que nunca. Como os personagens pesam! Luisa pegou o livro da Branca e a bibliotecária anotou tudo no fichário. Mais tarde, a menina entrou em casa na maior alegria, e a mãe gritou lá de dentro:
Chegou, filha?
Chegámos!»
Luciana Sandroni (Rio de Janeiro, 1962) Fonte

—-

«Explicações dos autores:
Luciana Sandroni explica que “a ideia do meu conto surgiu dessa ligação, dessa adoração das crianças pequenas pelos contos de fadas. Queria brincar com essa ideia – já feita pelo Monteiro Lobato e pelo Ricardo Azevedo – dos personagens saírem dos livros e conversarem com o leitor. Espero que as crianças gostem e façam muitos desenhos da Luísa chegando em casa com os personagens dentro da mochila”.

Segundo Ziraldo, “a inspiração – se houve… (eu confesso que não sei o que é inspiração) é tão óbvia que não dá para explicar. Tentemos. O quadro A Criação do Homem de Michelangelo mostra, no detalhe escolhido para o cartaz, Deus criando o homem com a ponta do seu dedo. O que eu quero dizer tá na cara: é que o livro tem – guardadas as devidas proporções – este mesmo poder. Ou seja: é o ‘acabamento’ da obra de Deus. É isto aí. Olha aí Ele passando o livro para o menino. Que vai virar homem”.» fonte

Posted in Bibliobeiriz, Dia Internacional do Livro Infantil, Dia Internacional/Mundial, Luciana Sandroni, Ziraldo | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Os primeiros contos de H. C. Andersen publicados em livro, em Portugal

Posted by Manuela DLRamos em Abril 1, 2016

O Dia Internacional  do Livro Infantil  é também um dia de homenagem a Hans Christian Andersen, o escritor dinamarquês nascido a 2 de Abril de 1805.

O que muitas pessoas não sabem é que a primeira vez que alguns contos de Hans Christian Andersen foram publicados em livro, em Portugal, foi na obra pioneira de Guerra Junqueiro, Contos para a Infancia : escolhidos dos melhores auctores , em 1877.

Exatamente.  E foram sete, os contos do autor dinamarquês a integrarem essa importante antologia, tendo pelo menos três deles encontrado desde logo um lugar muito especial no nosso imaginário: “A mãe”, “O malmequer”, “A criança, o anjo e flor”, “O fato novo do sultão”, “O valente soldado de chumbo”, “O linho” e “A rapariguinha e os fósforos”. (Não é preciso dizer quais são os favoritos, pois não?)

Mas por que razão não foram então identificados? Porque, de acordo com Maria Teresa Cortez*, Guerra Junqueiro terá “escolhido” estes contos  de uma fonte que, também ela, não os identificava (para saber+).

Capa_HCAndersen_DGLB

Os contos de Hans Cristian Andersen estão sempre prontos a serem  (re)descobertos- lidos, relidos, ilustrados, adaptados…  Ainda este ano letivo nos deliciamos na BE com a história do Duende da Mercearia, lembram-se?

Na Biblioteca podem ler muitos  desses contos e nos seguintes sítios on line também:

Os Contos de Hans Christian Andersen (seleção de 10 contos – com brevíssimas sinopses de Niels Fischer numa tradução de Silva Duarte; carregar na imagem em cima para ler uma versão com 43 contos)

> Páginas da Biblioteca Nacional dedicadas ao autor (a propósito do bicentenário do seu nascimento, em 2005).

> Contos de Hans Christian Andersen (in Era uma Vez) do Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Santarém.

> Contos de Andersen (Guida querido)

> Mais sugestões no Scoop.it da BE

——
Como já dissemos, na nossa biblioteca temos alguns livros que recontam estas  histórias maravilhosas, e por vezes, assustadoras,  de H.C. Andersen (clica na imagem). Quais são  as vossas preferidas?

andersen_goodreads


*CORTEZ, Maria Teresa (2002)- “A antologia Contos para a infância (1877, 1881) de Guerra Junqueiro – Um caso de apropriação nacional de textos de várias origens” in: Alexandra Lopes / Maria do Carmo Correia de Oliveira (Org.), Deste lado do espelho. Estudos de tradução em Portugal. Novos contributos para a história da literatura portuguesa. Colóquio realizado na Universidade Católica Portuguesa em 21 e 22 de Fevereiro de 2002, Lisboa, Universidade Católica Editora, p. 119-133. ver mais

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Goodreads, Guerra Junqueiro, Hans Christian Andersen | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »

Comemoração do Dia Internacional do Livro Infantil

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2014

cartaz_Ana_BiscaiaHoje tivemos uns convidados muito especiais para comemorar o Dia Internacional do Livro Infantil: os pequenitos do Jardim de Infância de Beiriz  numa sessão da parte da manhã, e o 1º ano da EB1 de Beiriz da parte de tarde.

As sessões foram variadas e incluiram conversinhas sobre as histórias de Hans Christian Andersen (cuja aniversário se celebra hoje e que se encontra em destaque na BE), visionamento da história do seu Patinho Feio (na versão da Disney), filmes sobre andorinhas (do fabuloso Arkive) para celebrar a sua chegada e ficar a conhecer melhor estas avezinhas, e para os mais crescidos do 1º ano, leitura da Balada das vinte meninas da Matilde Rosa Araújo.

De manhã, tivemos ainda direito a umas pipocas fresquinhas acabadas de fazer que comemos ao som da canção de “Pipoca” – 2ª faixa do CD “Conversa de Bicho” de Kitty Driemeyer.

———

Imagem:  Cartaz português do DILI, da autoria de Ana Biscaia, vencedora do Prémio Nacional de Ilustração do ano passado,  a convite da DGLAB (Direção-Geral do Livro dos Arquivos e das Bibliotecas)

Posted in Ana Biscaia, Dia Internacional do Livro Infantil, Hans Christian Andersen | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil – 2014

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2014

Mensagem da autoria da escritora irlandesa Siobhán Parkinson

Fonte

 

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Siobhán Parkinson | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Dia Mundial do Livro Infantil 2013 – “Bookjoy around the world”

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2013

DILI-2013 Desde 1967, no dia ou aproximadamente no dia do aniversário de Hans Christian Andersen, em 2 de abril, celebra-se o Dia Internacional do Livro Infantil com o objetivo de inspirar o prazer de ler e de chamar atenção para os livros infantis.

O país encarregue do poster e da mensagem deste ano foi os Estados Unidos da América.

Ao escolher Ashley Bryan, poeta e ilustrador afroamericano que fará 100 anos em julho (fonte), autor do poster e  Pat Mora , poetisa bilingue de origem mexicana que  se dedica à preservação e divulgaçaõ das raizes idenditárias comuns à região do Sudoeste dos Estados Unidos e do Norte do México, autora da mensagem, decerto foi intenção dos responsáveis homenagear o multiculturalismo da sociedade americana.

“Bookjoy Around the World”. 

Como é explicado na brochura (3 MB pdf) divulgada  pela USBBY – United States Board on Books for Young People- a palavra “bookjoy” foi “inventada por Pat Mora para “exprimir  o prazer privado que os leitores experimentam ao ler”.

A  referida brochura  inclui o poema/ mensagem em inglês, espanhol, francês, e alemão. A tradução em português que abaixo também se transcreve foi divulgada pela DGLB e é da autoria da Maria Carlos Loureiro (>)

aqui o cartaz  português  publicado pela DGLB para assinalar a efeméride.

Bookjoy Around the World

We can read, you and I.
See letters become words,
and words become books
we hold in our hands.

We hear whispers
and roaring rivers in the pages,
bears singing
funny tunes to the moon.

We enter spooky gray castles,
and in our hands flowering trees climb
to the clouds. Bold girls fly;
boys fish for sparkling stars.

You and I read, round and round,
bookjoy around the world.

Poem by Pat Mora

Alegría en los libros alrededor del mundo

Leemos juntos, tú y yo.
Vemos que las letras forman palabras
y las palabras se convierten en libros
que estrechamos en nuestras manos.

Oímos susurros
y ríos bulliciosos en sus páginas,
osos que cantan
graciosas melodías a la luna.

Entramos en misteriosos castillos
y de nuestras manos suben hasta las nubes
árboles florecidos.

Vemos niñas valientes que vuelan
y niños que atrapan las estrellas.

Leemos juntos, tú y yo, dando vueltas y vueltas,
recorriendo el mundo con la alegría en los libros.

Poema por Pat Mora (Trans. by Georgina Lazaro and Pat Mora)

 Joie du livre ! Autour du monde

Nous pouvons lire, toi et moi.
Voir les lettres devenir des mots,
les mots devenir des livres
que nous tenons entre nos mains.

Nous entendons des murmures
et des rivières qui rugissent dans les pages,
des ours qui chantent
de drôles de refrains à la lune.

Nous entrons dans des châteaux gris et effrayants
Et dans nos mains des arbres en fleurs grimpent
vers les nuages. Des filles intrépides volent;
des garçons pêchent les étoiles scintillantes.

Toi et moi lisons, encore et encore,
Joie du livre autour du monde.

Poème de Pat Mora (Translation by Hasmig Chahinian)

Alegria dos livros à volta do mundo

Lemos juntos, tu e eu.
Vemos que as letras formam palavras
e as palavras se transformam em livros
que seguramos na mão.

Ouvimos murmúrios
e rios agitados correndo pelas páginas,
ursos que cantam à lua
melodias divertidas.

Entramos em castelos misteriosos
e das nossas mãos crescem árvores em flor
até às nuvens. Vemos meninas corajosas
que voam
e rapazes que pescam estrelas
cintilantes.

Tu e eu lemos, dando voltas e mais
voltas,
alegria dos livros à volta do mundo.

Pat Mora (trad. Maria Carlos Loureiro)

 

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil | Leave a Comment »

Dia Internacional do Livro Infantil

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2012

Tema  de 2012: Habia una vez un cuento que contaba el mundo interoOnce upon a time, there was a story that the whole world told.(ver os temas dos anos anteriores)

      •  O Dia Internacional do Livro Infantil, intencionalmente comemorado desde 1967 na data do nascimento de Hans Christian Andersen (1805-1875) a 2 de Abril, tem como objectivo fundamental “inspirar o amor à leitura e chamar a atenção para os livros infantis.” (in IBBY).

Todos os anos cabe a um país- com representação no International Board on Books for Young People (IBBY) – a criação uma mensagem ilustrada alusiva ao poder e importância das histórias e dos livros infantis. Este ano coube a vez ao México através da A Leer, secção mexicana do IBBY, com  ilustração de Juan Gedovius e texto de Francisco Hinojosa,  ambos da Cidade do México.

«Habia una vez un cuento que contaba el mundo intero. – Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro.  Na verdade não era só um, mas muitos os contos que enchiam o mundo com as suas histórias de meninas desobedientes e lobos sedutores, de sapatinhos de cristal e príncipes apaixonados, de gatos astutos e soldadinhos de chumbo, de gigantes bonacheirões e fábricas de chocolate.

Encheram o mundo de palavras, de inteligência, de imagens, de personagens extraordinárias. Permitiram risos, encantos e convívios. Carregaram-no de significado. E desde então os contos continuam a multiplicar-se para nos dizerem mil e uma vezes: “Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro…”

Quando lemos, contamos ou ouvimos contos, cultivamos a imaginação, como se fosse necessário dar-lhe treino para a mantermos em forma. Um dia, sem que o saibamos certamente, uma dessas histórias entrará na nossa vida para arranjar soluções originais para os obstáculos que se nos coloquem no caminho.

Quando lemos, contamos ou ouvimos contos em voz alta, estamos a repetir um ritual muito antigo que cumpriu um papel fundamental na história da civilização: construir uma comunidade. À volta dos contos reuniram-se as culturas, as épocas e as gerações, para nos dizerem que japoneses, alemães e mexicanos são um só; como um só são os que viveram no século XVII e nós mesmos, que lemos um conto na Internet; e os avós, os pais e os filhos. Os contos chegam iguais aos seres humanos, apesar das nossas grandes diferenças, porque no fundo todos somos os seus protagonistas.

Ao contrário dos organismos vivos, que nascem, reproduzem-se e morrem, os contos são fecundos e imortais, em especial os da tradição oral, que se adequam às circunstâncias e ao contexto do momento em que são contados ou rescritos. E são contos que nos tornam seus autores quando os recontamos ou ouvimos.

E também era uma vez um país cheio de mitos, contos e lendas que viajaram durante séculos, de boca em boca, para mostrar a sua ideia de criação, para narrar a sua história, para oferecer a sua riqueza cultural, para aguçar a curiosidade e levar sorrisos aos lábios. Era igualmente um país onde poucos habitantes tinham acesso aos livros. Mas isso é uma história que já começou a mudar. Hoje os contos estão a chegar cada vez mais aos lugares distantes do meu país, o México. E, ao encontrarem os seus leitores, estão a cumprir o seu papel de criar comunidades, de criar famílias e de criar indivíduos com maior possibilidade de serem felizes.

Francisco Hinojosa (trad. Maria Carlos Loureiro)

Posted in Comemoração, Dia Internacional do Livro Infantil, livro | Leave a Comment »

Hans Christian Andersen

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2012

O Dia Mundial do Livro Infantil – que hoje se comemora – é também um dia de homenagem a Hans Christian Andersen, o escritor dinamarquês nascido a 2 de Abril de 1805.

Sem posses e tendo como única herança do avô e do pai o bichinho de ouvir e contar histórias, HCA mostra toda a sua enorme determinação ao viajar sozinho para tentar a sua sorte no Teatro Real de Copenhague com 14 anos apenas. O relato da sua vida extrordinária já foi tema de biografias e obras cinematográficas >, e o próprio escritor intitulou uma das suas autobiografias, Mit Livs Eventyr (1855), traduzida por The Fairy Tale of My Life, O Conto de Fadas da Minha Vida.

Hans Christian Andersen inicia a publicação dos seus célebres contos de fadas em 1835, tendo escrito ao todo 156, até 1872.  (1 e 2)

Em Portugal, que visitou em 1866, os seus “contos de encantar” também são publicados e traduzidos por nomes conhecidos da Literatura Portuguesa como Guerra Junqueiro (logo em 1877), Maria Amélia Vaz de Carvalho e Gonçalves Crespo e mais tarde, Ana Castro Osório, Cabral do Nascimento, Herberto Helder, Ilse Losa, Ricardo Alberty entre outros. (3 e 4)

Os contos mais conhecidos de HCA podem ser lidos nas várias antologias que temos na Biblioteca e também  nos seguintes sítios:

> Contos de Hans Christian Andersen  (in Era uma Vez) do  Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Santarém. Para ler e ouvir!

> Contos de Andersen

> Lista de contos acessíveis no sítio brasileiro “Virtual Books On line -Biblioteca de Livros electrónicos

> Páginas da Biblioteca Nacional dedicadas ao autor (a propósito do bicentenário do seu nascimento).

  • e ainda:  Exposição Hans Christian Andersen comissariada por Niels Fischer na Amadora, patente até 30 Junho 2012. (programa/pdf)

Referências bibliográficas:

  1. Centro Hans Christian Andersen
  2. Hans Christian Andersen– Wikipedia
  3. Literatura Infantil Portuguesa (googlebook)  mostra da obra de HCA a propósito da comemoração pela BN do Dia Int. do Livro Infantil em 1980, e dos 175 anos do nascimento de HCA
  4. Andersen em Portugal: das Traduções às Recriações (pdf) por Leonor Riscado

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Hans Christian Andersen | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Livros fechados – livros abertos

Posted by Manuela DLRamos em Janeiro 2, 2012

Escolhemos este texto de António Torrado para primeira entrada de 2012 por duas razões:

  1. Não podia expressar melhor os nossos votos: ver na biblioteca cada vez mais meninos e meninas (e  professores ;-) a abrir os livros, descobrindo neles a matéria de que somos feitos, aprendendo a sonhar.
  2. É da autoria de António Torrado, um dos mais conceituados escritores portugueses, responsável pela versão de A Nau Catrineta, publicada no livrinho com que vamos premiar os nossos “top-leitores” do 1º período.

«Era uma vez um livro. Um livro fechado. Tristemente fechado. Irremediavelmente fechado.
Nunca ninguém o abrira nem sequer para ler as primeiras linhas da primeira página das muitas que o livro tinha para oferecer.
Quem o comprara trouxera-o para casa e, provavelmente insensível ao que o livro valia, ao que o  .livro continha, enfiara-o numa prateleira, ao lado de muitos outros.
Ali estava. Ali ficou.
Um dia, mais não podendo, queixou-se:
— Ninguém me leu. Ninguém me liga.
Ao lado, um colega disse:
— Desconfio que, nesta estante, haverá muitos outros como tu.
— É o teu caso? — perguntou, ansiosamente, o livro que nunca tinha sido aberto.
— Por sinal, não — esclareceu o colega, um respeitável calhamaço. — Estou todo sublinhado. Fui lido e relido. Sou um livro de estudo.
— Quem me dera essa sorte — disse outro livro ao lado, a entrar na conversa. — Por mim só me passaram os olhos. Página sim, página não… Mas, enfim, já prestei para alguma coisa.
— Eu também — falou, perto deles, um livrinho estreito. — Durante muito tempo, servi de calço a uma mesa que tinha um pé mais curto.
— Isso não é trabalho para livro — estranhou o calhamaço.
— À falta de outro… — conformou-se o livro estreitinho.
Escutando os seus companheiros de estante, o livro que nunca fora aberto sentiu uma secreta inveja. Ao menos, tinham para contar, ao passo que ele… Suspirou.
Não chegou ao fim do suspiro, porque duas mãos o foram buscar, ao aperto da prateleira. As mãos pegaram nele e poisaram-no sobre uns joelhos.
— Tem bonecos esse livro? — perguntou a voz de uma menina, debruçada para o livro, ainda por abrir.
— Se tem! Muitos bonecos, muitas histórias que eu vou ler-te — disse uma voz mais grave, a quem pertenciam as mãos que escolheram o livro da estante.
Começou a folheá-lo, e enquanto lhe alisava as primeiras páginas, foi dizendo:
— Este livro tem uma história. Comprei-o no dia em que tu nasceste. Guardei-o para ti, até hoje. É um livro muito especial.
— Lê — pediu a voz da menina.
E o pai da menina leu. E o livro aberto deixou que o lessem, de ponta a ponta.
Às vezes vale a pena esperar. »

(Livro Fechado, António Torrado – Mensagem Nacional para o Dia Internacional do Livro Infantil – 2 de Abril de 1997). Fonte

Posted in António Torrado, Dia Internacional do Livro Infantil | Leave a Comment »

“O Livro Recorda” – mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2011

O LIVRO RECORDA por Aino Pervik

“Quando Arno e o seu pai chegaram à escola, as aulas já tinham começado.”

No meu país, a Estónia, quase toda a gente conhece esta frase de cor. É a primeira linha de um livro intitulado Primavera. Publicado em 1912, é da autoria do escritor estónio Oskar Luts (1887-1953)> > .
Primavera narra a vida de crianças que frequentavam uma escola rural na Estónia, em finais do século xix. O Autor escrevia sobre a sua própria infância e Arno, na verdade, era o próprio Oskar Luts na sua meninice.
Os investigadores estudam documentos antigos e, com base neles, escrevem livros de História. Os livros de História relatam eventos que aconteceram, mas é claro que esses livros nunca contam como eram de facto as vidas das pessoas comuns em certa época.
Os livros de histórias, por seu lado, recordam coisas que não é possível encontrar nos velhos documentos. Podem contar-nos, por exemplo, o que é que um rapaz como Arno pensava quando foi para a escola há cem anos, ou quais os sonhos das crianças dessa época, que medos tinham e o que as fazia felizes. O livro também recorda os pais dessas crianças, como queriam ser e que futuro desejavam para os seus filhos.
Claro que hoje podemos escrever livros sobre os velhos tempos, e esses livros são, muitas vezes, apaixonantes. Mas um escritor actual não pode realmente conhecer os sabores e os cheiros, os medos e as alegrias de um passado distante. O escritor de hoje já sabe o que aconteceu depois e o que o futuro reservava à gente de então.
O livro recorda o tempo em que foi escrito.
A partir dos livros de Charles Dickens, ficamos a saber como era realmente a vida de um rapazinho nas ruas de Londres, em meados do século xix, no tempo de Oliver Twist. Através dos olhos de David Copperfield (coincidentes com o olhar de Dickens nessa época), vemos todo o tipo de personagens que ao tempo viviam na Inglaterra — que relações tinham, e como os seus pensamentos e sentimentos influenciaram tais relações. Porque David Copperfield era de facto, em muitos aspectos, o próprio Charles Dickens; Dickens não precisava de inventar nada, ele pura e simplesmente conhecia aquilo que contava.
São os livros que nos permitem saber o que realmente sentiam Tom Sawyer, Huckleberry Finn e o seu amigo Jim nas viagens pelo Mississippi em finais do século xix, quando Mark Twain escreveu as suas aventuras. Ele conhecia profundamente o que as pessoas do seu tempo pensavam sobre as demais, porque ele próprio vivia entre elas. Era uma delas.
Nas obras literárias, os relatos mais verosímeis sobre gente do passado são os que foram escritos à época em que essa mesma gente vivia.

O livro recorda

*Tradução: José António Gomes (João Pedro Messeder)

*A Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil é uma iniciativa do IBBY (International Board on Books for Young People) , difundida em Portugal pela APPLIJ (Associação Portuguesa para a Promoção do Livro Infantil e Juvenil), Secção Portuguesa do IBBY. Todos os anos cabe a um país membro a criação da mensagem e do poster e nesta edição de 2011 foi a vez da Estónia. A mensagem é da escritora  Aino Pervik e  o poster  é da autoria de Mildebergius famoso pintor e ilustrador estoniano >.  (ver mensagem em inglês e original e biografias dos autores )

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil | Leave a Comment »

“Um livro espera-te. Procura-o!”

Posted by bibliobeiriz em Abril 2, 2010

Dia Internacional do Livro Infantil

A comemoração do Dia Internacional do Livro Infantil -a 2 de Abril, dia em que nasceu Hans Christian Andersen (1805-1875) – tem como objectivo fundamental “inspirar o amor à leitura e chamar a atenção para os livros infantis” -de acordo com o IBBY– International Board on Books for Young People.  Este ano, a mensagem é de Eliacer Cansino Macías e a ilustração do poster da autoria de Noemí Villamuza, ambos espanhóis, em representação da secção espanhola do IBBY (Ver anos anteriores)

«Era uma vez
um barquinho pequenino,
que não sabia,
não podia
navegar.
Passaram uma, duas, três,
quatro, cinco, seis semanas,
e aquele barquinho,
aquele barquinho
navegou.

Antes de se aprender a ler aprende-se a brincar. E a cantar. Eu e os meninos da minha terra entoávamos esta cantiga quando ainda não sabíamos ler. Juntávamo-nos na rua, fazendo uma roda e, ao despique com as vozes dos grilos no Verão, cantávamos uma e outra vez a impotência do barquinho que não sabia navegar.
Às vezes construíamos barquinhos de papel, íamos pô-los nos charcos e os barquinhos desfaziam-se sem conseguirem alcançar nenhuma costa.
Eu também era um barco pequeno fundeado nas ruas do meu bairro. Passava as tardes numa açoteia vendo o sol esconder-se à hora do poente, e pressentia na lonjura – não sabia ainda se nos longes do espaço, se nos longes do coração – um mundo maravilhoso que se estendia para lá do que a minha vista alcançava.
Por detrás de umas caixas, num armário da minha casa, também havia um livro pequenino que não podia navegar porque ninguém o lia. Quantas vezes passei por ele, sem me dar conta da sua existência! O barco de papel, encalhado na lama; o livro solitário, oculto na estante, atrás das caixas de cartão.
Um dia, a minha mão, à procura de alguma coisa, tocou na lombada do livro. Se eu fosse livro, contaria a coisa assim: “Certo dia, a mão de um menino roçou na minha capa e eu senti que as minhas velas se desdobravam e eu começava a navegar”.
Que surpresa quando, por fim, os meus olhos tiveram na frente aquele objecto! Era um pequeno livro de capa vermelha e marca-de-água dourada. Abri-o expectante como quem encontra um cofre e ansioso por conhecer o seu conteúdo. E não era para menos. Mal comecei a ler, compreendi que a aventura estava servida: a valentia do protagonista, as personagens bondosas, as malvadas, as ilustrações com frases em pé-de-página que observava uma e outra vez, o perigo, as surpresas…, tudo isso me transportou a um mundo apaixonante e desconhecido.
Desse modo descobri que para lá da minha casa havia um rio, e que atrás do rio havia um mar e que no mar, à espera de partir, havia um barco. O primeiro em que embarquei chamava-se Hispaniola, mas teria sido igual se se chamasse Nautilus, Rocinante, a embarcação de Sindbad ou a jangada de Huckleberry. Todos eles, por mais tempo que passe, estarão sempre à espera de que os olhos de um menino desamarrem as suas velas e os façam zarpar.
É por isso que… não esperes mais, estende a tua mão, pega num livro, abre-o, lê: descobrirás, como na cantiga da minha infância, que não há barco, por pequeno que seja, que em pouco tempo não aprenda a navegar.

ELIACER CANSINO
Tradução: José António Gomes
A Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil é uma iniciativa do IBBY (International Board on Books for Young People), difundida em Portugal pela APPLIJ (Associação Portuguesa para a Promoção do Livro Infantil e Juvenil), Secção Portuguesa do IBBY.» (pdf)

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Dia Internacional/Mundial | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

Dia Internacional do Livro Infantil 2009

Posted by bibliobeiriz em Março 25, 2009

A comemoração do Dia Internacional do Livro Infantil -a 2 de Abril, dia em que nasceu Hans ChristianAndersen (1805-1875) – tem como objectivo fundamental “inspirar o amor à leitura e chamar a atenção para os livros infantis” -de acordo com o IBBY– International Board on Books for Young People.
Este ano, o país responsável pela edição dos materiais da comemoração é o Egipto > , sendo o autor do poster o ilustrador Hani D. El-Masri.
.
Este ano
 

 Mensagem de 2009

I am the world, and the world is meicbd2009_mensagem1

For through my book

I can be whatever I want to be.

Words and pictures, verse and prose

Take me to places both far and close.

In the land of Sultans and gold

A thousand stories unfold

Flying carpets, magic lamps

Genies, ghouls and Sindibades

Tell their secrets to Shehrezad.

With every word on every pageiamtheworld1

I travel throug time and space

And on the wings of fantasy

My spirits crosses land and sea.

The more I read the more I know

That with my book

I’ll allways be in the best of company.

«Eu sou o mundo, e o mundo sou eu,
porque através do meu livro
posso ser quem quiser.
Palavras e imagens, versos e prosa,
levam-me a lugares vizinhos e distantes.

Na terra dos Sultões e do ouro,
mil histórias se revelam,
tapetes voadores, lâmpadas mágicas,
Génios, Ghouls e Simbades,
contam os seus segredos a Sherazade.
.
 
 
 
A cada palavra em cada página,
viajo no tempo e no espaço.
E nas asas da fantasia
o meu espírito atravessa terra e mar.

Quanto mais leio, mais compreendo
que, com o meu livro,
estarei sempre
na melhor das companhias.» 
 (tradução de Paulo Izidoro  ;
      ler tradução “oficial” no site >  da Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas -DGLB)

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Dia Internacional/Mundial, livro, poesia | Leave a Comment »

Dia Internacional do Livro Infantil- 2008

Posted by bibliobeiriz em Março 30, 2008

 

 

Ver tamanho maior

 Desde 1967, o Dia Internacional do Livro Infantil comemora-se a 2 de Abril, dia em que nasceu Hans Christian Andersen (1805-1875), consagrado escritor dinamarquês, autor dos mais conhecidos contos infantis. Esta comemoração tem como objectivos fundamentais “inspirar o amor à leitura e chamar a atenção para os livros infantis.” (in IBBY).

 A mensagem e a ilustração do Dia Internacional do Livro Infantil deste ano são da autoria do artista tailandês Chakrabhand Posayakrit*.

«Os livros iluminam, o conhecimento encanta.
A busca de conhecimento por meio da leitura tem de tornar-se uma prioridade e deveria ser incrementada logo na infância.
Desde muito cedo se incute nas crianças tailandesas o desejo de conhecimento pela leitura, com base numa tradição e numa cultura sublimes.
Os pais são os primeiros professores das crianças e os monges tornam-se os principais mentores da sua orientação e educação, intelectual e mental, tanto no que respeita aos assuntos do mundo como no tocante aos valores espirituais.
Encontrei inspiração para a minha ilustração em ancestrais tradições do meu país. Por um lado, a tradição de contar histórias às crianças, por outro, a de aprender pela leitura de inscrições em folhas de palmeira e em tabuinhas que se destinam exclusivamente a ser lidas.
As narrativas escritas em folhas de palmeira provêm da tradição budista. Contam a vida de Buda e recontam histórias das jatakas (fábulas e parábolas), com a nobre intenção de cultivar as mentes jovens e de lhes instilar fé, imaginação e um sentido moral.»
Chakrabhand Posayakrit

Tradução de José António Gomes (fonte: DGLB)

*«Chakrabhand Posayakrit nasceu em 1943, em Banguecoque. Formou-se em Pintura pela Universidade de Silpakorn, em 1968, e ensinou na Faculdade de Artes Decorativas da mesma universidade. Doutorou-se em Artes pela Universidade de Chulalongkorn, em 1989, e, actualmente, dedica-se, por inteiro, à sua criação artística.Além de uma importante obra no domínio da pintura e da ilustração, o artista dedicou-se recentemente à criação de marionetas e à pintura de cenas inspiradas na literatura tailandesa.

No poster (ver imagem maior aqui) que acompanha a sua mensagem, Posayakrit regista uma cena tradicional da cultura tailandesa: diante da sua mesa de leitura, uma criança debruça-se sobre as inscrições de um livro de bambu, evocando assim o saber que emana de antigas jatakas budistas, uma colecção de narrativas populares (contos, fábulas e principalmente parábolas) cujo propósito é iluminar o caminho dos homens rumo à sabedoria.» (fonte: DGLB)

  • Mensagens e posters desde 1995 (em inglês) aqui
  • Mensagens e posters desde 2001 (em português) aqui
  • Neste blogue:DILI 2007

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Dia Internacional/Mundial | Leave a Comment »

Dia Internacional do Livro Infantil

Posted by Manuela DLRamos em Abril 2, 2007

O Dia Internacional do Livro Infantil  -que se comemora a 2 de Abril, data do nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen > – é uma iniciativa do iBbY > (International Board on Books for Young People) realizada anualmente desde 1967. O patrocinador de 2007 é a Secção Nacional do IBBY da Nova Zelândia > .

O tema deste ano é “Stories Ring the World“.  O poster que o ilustra é da autoria de Zak Waipara > e acompanha-o uma mensagem da autoria de Margaret Mahy > *

MENSAGEM DO DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL – 2007
ver algumas mensagens dos anos anteriores aqui 

poster«”Nunca me hei-de esquecer de como aprendi a ler. Quando era menina, as palavras escapuliam-se diante dos meus olhos como pequenos escaravelhos negros cheios de pressa. Mas eu era mais inteligente do que elas. Aprendi a reconhecê-las apesar de tentarem escapar-me velozmente. Até que, por fim, consegui abrir os livros e entender o que lá estava escrito. Sozinha, tornei-me capaz de ler contos, histórias engraçadas e poemas.
No entanto tive surpresas. A leitura deu-me poder sobre os contos e de alguma forma também deu aos contos um certo poder sobre mim. Nunca lhes pude escapar. Isso faz parte do mistério da leitura.
Uma pessoa abre um livro, acolhe e compreende as palavras e, se a história for boa, ela explode dentro de nós. Aqueles escaravelhos que correm em linha recta de um lado para o outro da página em branco convertem-se primeiro em palavras e, logo a seguir, em imagens e acontecimentos mágicos. Ainda que certas histórias pareçam nada ter que ver com a vida real, ainda que nos conduzam a surpresas de toda a espécie e se distendam em múltiplas possibilidades, para um lado e para o outro, como pastilhas elásticas, no final as histórias que são boas devolvem-nos a nós mesmos. São feitas de palavras, e todos os seres humanos sonham ter aventuras com as palavras.
Quase todos começamos como ouvintes. Ainda bebés, as nossas mães e os nossos pais brincam connosco, dizem-nos rimas, tocam-nos as mãos (“Pico pico maçarico quem te deu tamanho bico…”) ou põem-nos a bater palmas (“Palminhas, palminhas…”). Os jogos com palavras são ditos em voz alta e, quando somos crianças, escutamo-los e rimos com eles. Logo a seguir aprendemos a ler os caracteres impressos na página branca e, mesmo quando lemos em silêncio, há uma certa voz que está presente. A quem pertence esta voz? Pode ser a tua própria voz, a voz do leitor. Mas é mais do que isso. É a voz da história que vem do interior do próprio leitor.
É claro que há hoje muitas maneiras de contar uma história. Os filmes e a televisão têm histórias para contar, embora não usem a linguagem da maneira como o fazem os livros. Os escritores que trabalham em guiões de televisão ou de cinema são obrigados a utilizar poucas palavras. “Deixem as imagens contar a história”, dizem os especialistas. Muitas vezes vemos televisão na companhia de outras pessoas, mas quando lemos quase sempre estamos sós.
Vivemos numa época em que o mundo está cheio de livros. Mergulhar nos livros à procura de alguma coisa, lendo-os e relendo-os, faz parte da viagem de cada leitor. A aventura do leitor consiste em descobrir, nessa selva de caracteres impressos, uma história tão vibrante que o transforme como que por magia. Uma história tão apaixonante e misteriosa que mude a sua vida. Creio que cada leitor vive para esse momento em que de súbito o mundo de todos os dias se altera um pouco, abre espaço a uma nova piada, a uma ideia nova, àquela nova possibilidade que é dada a uma determinada verdade de se exprimir pelo poder das palavras. “Sim, isto é mesmo verdade!”, exclama aquela voz dentro de nós. “Estou a reconhecer-te!”

“A leitura é verdadeiramente apaixonante, não acham?”»

(Versão portuguesa de José António Gomes)

«* MARGARET MAHY nasceu em Whakatane, Nova Zelândia, em 1936. Bibliotecária, decidiu dedicar-se a tempo inteiro à escrita em 1980. Escreveu obras dirigidas a diferentes idades, cultivando géneros que vão do álbum para crianças pequenas ao romance juvenil, passando pela poesia e pelo texto dramático. (…).»

  • Fontes da mensagem: em html (CM de Arouca);  em pdf  (no IPLB)
  • Notícia nos media >
  • Entrada no site da Ed. Caminho >
  • Página da Secção espanhola do IbBY >
  • Ver as nossas comemorações em 2005– ano do centenário de  Hans C. Andersen.

Posted in Dia Internacional do Livro Infantil, Dia Internacional/Mundial, Hans Christian Andersen | Leave a Comment »